Devocional #29 – Qual a diferença?

Provérbios 3.33-34

A maldição do Senhor está sobre a casa dos ímpios, mas ele abençoa o lar dos justos. Ele zomba dos zombadores, mas concede graça aos humildes.

NVI

Nesses versículos vemos uma clara oposição entre o justo e o ímpio, entre o humilde e o zombador. A ideia central é bem simples: a atitude das pessoas diante de Deus afetará as circunstâncias de sua vida. Fica claro que a prática do bem gerará frutos bons, assim como a prática do mal, ruins. Nesse assunto, é comum encontrar pessoas que vão para dois extremos.

Um extremo é pensar que, por sermos justos, devemos receber apenas coisas boas e nenhuma ruim. Não é difícil perceber que essa ideia é falsa. Podemos observar, por exemplo, o livro de Jó. Lemos, com todas as letras, que Jó era justo (cf. Jó 1.8) e, ainda assim, sofreu terrivelmente. Por mais que sejamos justos diante de Deus, por causa de Cristo, vivemos em um mundo que jaz no maligno (1Jo 5.19) e isso pode naturalmente afetar a nossa vida (Jo 16.33).

Outro extremo é pensar que estamos terrivelmente perdidos por causa do pecado e fadados a sofrer continuamente durante a nossa vida terrena — a paz e a alegria seriam impossíveis aqui. Porém, também podemos perceber, como na passagem de hoje, que Deus tem prazer em abençoar aqueles que o temem. Portanto, não é errado esperar coisas boas ao longo da nossa caminhada.

Em suma, vemos que Deus faz diferença entre aqueles que o servem e os que não. Ainda que isso não seja evidente durante a nossa vida, ficará no juízo final, quando os justos receberão a recompensa da vida eterna e os ímpios, do castigo eterno.

Comentários