Fruto do Espírito – Como ter a Vida transformada?

Será mesmo possível ter a vida totalmente transformada? O que é e o que a Bíblia diz à respeito do Fruto do Espírito? Neste vídeo falamos sobre como a vontade de Deus pode ser exatamente aquilo que você mais deseja na vida!


Inscreva-se em nossos canais

654.587 inscritos no Vai na Bíblia.
22.967 inscritos na VnBteo.


fruto do espirito

Leia ou [clique para assistir]

Nosso principal objetivo de vida

Quando cremos que Jesus Cristo, sendo Deus se fez homem, morreu em nosso favor e ressuscitou dentre os mortos, nós somos salvos! (Rm 10.9-10). E com certeza a salvação é o que de mais importante pode acontecer na vida de qualquer pessoa, ser perdoado por Deus e receber o dom da Vida Eterna (Mt 16.26). A partir daí, existe algo que é obrigatório: a transformação de vida (Rm 12.2), afinal, se de fato houve uma conversão, significa que nós morremos para a vida que nós tínhamos (2Co 5.14, Rm 6.2), incluindo conceitos, crenças e prioridades (1Co 1.20-21, 2Co 5.17), para viver uma vida nova em Cristo (Rm 6.8-11). Mas a questão é: como isso funciona na prática?

Uma das primeiras coisas que acontecem logo após a conversão é descobrirmos que agora, nosso maior propósito de vida é fazer a vontade de Deus (1Co 6.20), descobrir o que Ele espera de nós (Ef 5.15-17). E na verdade não se trata de nenhum segredo. Jesus deixou isso bem claro em João 15.16, onde Ele diz: “Vocês não me escolheram, mas eu os escolhi para irem e darem fruto, e fruto que permaneça, a fim de que o Pai vos conceda tudo o que pedirem em meu nome.” (NVI)

Jesus nos escolheu para darmos fruto e fruto que permaneça! Essa é a vontade de Deus pra nossas vidas! Mas do que se trata esse fruto? Talvez possa se pensar que sejam vidas que conhecerão a Jesus através de nós, mas na verdade não, fruto aqui está no singular, trata-se de apenas um fruto, o fruto do Espírito.

O fruto do Espírito

Dentre tudo aquilo que nós podemos desejar na vida, nada supera o fruto do Espírito Santo! Por mais que a gente não se dê conta, aquilo que nós mais buscamos com todo nosso esforço, seja em estudo ou trabalho, é o que nós encontramos  no fruto do Espírito. E o que é o fruto do Espírito? Em Gálatas 5 diz que o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio (Gl 5.22-23).

E por mais que até seja possível alcançar algo semelhante a isso através do nosso esforço pessoal, sem o Espírito Santo o resultado será sempre limitado, temporário e totalmente dependente das circunstâncias, seja de saúde, financeira ou emocional.

O segredo é que quando nós entregamos nossa vida a Jesus Cristo, o Espírito Santo passou a habitar dentro de nós (1Co 6.19), e é somente através da ação Dele que o fruto é gerado em nossas vidas (João 16.13-14). O fruto do Espírito independe das circunstâncias. Uma vez gerado e desenvolvido, ele permanece por toda a vida (Gl 6.8).

Como desenvolver o fruto do Espírito

E talvez você esteja se perguntando: como é que o fruto do Espírito é desenvolvido em nós? – Um jeito bem fácil de entender como isso funciona é pensar no Espírito Santo como um professor e cada virtude do fruto do Espírito (amor, alegria, paz e etc…) como uma matéria que é ensinada.

Talvez você aprenda com facilidade português e história, mas tenha muita dificuldade em matemática e geografia. O que acontece aqui, é que para ser aprovado, não basta ser bom e uma ou duas matérias, é preciso alcançar uma média boa em todas. Assim também acontece com as virtudes do fruto do Espírito. Inclusive, como no caso das matérias, é preciso uma dedicação ainda maior onde você tem mais dificuldade. Por isso, se torna tão importante conhecer do que se trata cada uma delas.


Inscreva-se em nossos canais

654.587 inscritos no Vai na Bíblia.
22.967 inscritos na VnBteo.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As virtudes do fruto do Espírito

| Amor

A primeira delas é o amor, que além de ser a principal virtude do fruto do Espírito (1Co 13.13), é também, como nós já falamos em um outro vídeo, o maior mandamento bíblico: “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo” (Mt 22.36-39).

A Bíbia diz que esse amor foi derramando em nossos corações através do Espírito Santo (Rm 5.5). É o amor incondicional, que deve ser praticado sempre que houver uma necessidade, seja em favor de alguém que você gosta, seja em favor de alguém que você não gosta (Rm 12.20). É o Espírito Santo quem vai mostrar o que devemos fazer e por quem devemos fazer. Se trata de atitude e não de sentimento (1Jo 5.3).

| Alegria

Ao contrário do que muitos pensam, alegria é diferente de felicidade. Felicidade depende das circunstâncias, por isso é algo temporário. Já a alegria, permanece inclusive nos momentos de tristeza (2Co 7.4), na verdade são as tribulações e experiências de tristeza que nos preparam e aumentam nossa capacidade de desenvolver a alegria (Tg 1.2-4).

Por isso, a alegria jamais será refém das circunstâncias (Jo 16.22, Hc 3.17-18). E como essa alegria está totalmente relacionada com a nossa salvação (Hb 10.34, Jo 15.11), ela deve crescer dentro de nós por um motivo bastante óbvio: a cada dia que passa, é um dia a menos de espera, pela volta de Cristo (1Pe 1.7).

| Paz

A Bíblia ensina que existe a paz com Deus (Rm 5.1), porque através de Cristo, nós que éramos inimigos (Cl 1.21), agora temos paz com Ele; e também a paz de Deus, que é uma sensação de descanso e satisfação, como consequência dessa amizade (Rm 5.10). O criador do Universo, agora, é nosso amigo! (Rm 8.31, Jo 15.15). A Bíblia ensina que essa paz deve guardar nosso coração de qualquer tipo de perturbação ou medo (Fp 4.7), seja qual for a situação. O que é muito diferente da paz que nós encontramos no mundo. A paz como fruto do Espírito, é completa e verdadeira (Jo 14.27).

| Paciência (ou longanimidade)

Na verdade, a palavra que descreve melhor esta virtude é longanimidade, que traz a ideia de ânimo longo, pois a paciência como fruto do Espírito não é uma espera passiva (Tt 3.14), mas sim a capacidade de resistir (Pv 16.32), e permanecer firme (Jd 1.21), mesmo quando existem afrontas e adversidades (Tg 5.10, Jo 16.33). É não cansar-se de fazer o bem, mesmo quando só se recebe o mal em troca (Rm 12.21). É ter a conficção que no tempo certo o que está sendo plantado será colhido (2Pe 3.15, Gl 6.9).

Enquanto de um lado a ansiedade faz com que uma pessoa se torne improdutiva e inquieta, tentando resolver uma situação fora do seu controle, a longanimidade faz com que você prepare a terra e plante as sementes, enquanto espera pela chuva (Tg 5.7, Ec 11.4).

| Benignidade (ou amabilidade)

Benignidade é ter compaixão, misericórdia e ser generoso com o próximo (Mc 1.40-41, Ef 4.32). É quando existe uma renúncia própria para suprir a necessidade do outro (Rm 12.10). Benignidade é não só desejar o sucesso de uma pessoa, mas também contribuir para que isso aconteça (Fp 2.3). Por essa razão, para agir com benignidade, é preciso vencer um luta contra o egoísmo e contra a inveja (1Pe 2.1). Mas em compensação, a promessa de Deus para aquele que é benigno é de guiar os seus passos e suprir todas as suas necessidades (Is 58.10-11).

| Bondade

Bondade é praticar o bem, não com a intenção de agradar as pessoas, mas para fazer o que é correto e justo! (Sl 15, Ef 5.9-10). A bondade é demonstrada quando nós repudiamos a mentira (Hb 1.8-9) e dizemos a verdade ao próximo (Ef 4.25), mesmo que isso gere um certo desconforto. Exatamente como o Espírito Santo faz conosco, ele nos ensina, mas principalmente nos repreende e nos corrige (2Tm 3.16). E nosso crescimento espiritual acontece quando nós aceitamos a repreensão e entendemos que ela acontece para o nosso próprio bem (Hb 12.11). Aí sim se torna possível praticar uma das atitudes mais difíceis descritas pela Bíblia: fazer ao outro o que gostaríamos que ele fizesse por nós (Lc 6.31).

| Fidelidade

O que muito se vê no mundo é uma fidelidade condicional, que muitas vezes depende da relação familiar, da afinidade, da situação financeira e também do comportamento da outra pessoa. Quando se desconfia que a outra pessoa já não é mais digna de confiança, a fidelidade acaba ficando em segundo plano, não existe mais mesma disposição em cumprir aquilo que fazia parte do acordo ou da aliança. Já a fidelidade como fruto Espírito é a capacidade de ser fiel a alguém, sem a necessidade de ser correspondido (Sl 15.4b), é um reflexo da fidelidade de Deus (Sl 86.15, Hb 10.23). A Bíblia diz que Deus permanece fiel, mesmo quando nós somos infiéis (2Tm 2.13, Rm 3.3). E uma das maiores comprovações de que a fidelidade está sendo desenvolvida em nossas vidas é quando nós permanecemos fiéis a Deus não pelo que Ele faz ou pode fazer por nós (Lc 16.10, Mt 25.21) , mas sim por quem Ele é (Dt 32.4).

| Mansidão

Mansidão é a capacidade de ser pacífico e agir com serenidade mesmo em situações irritantes ou desagradáveis (1Pe 2.23). Além disso, o principal aspecto da mansidão como fruto do Espírito é deixar-se guiar por Deus (Sl 27.11, Sl 139-24), sem resistir à Sua vontade, assim como uma ovelha é guiada pelo pastor (Jo 10.27-28). E um grande exemplo disso é Moisés, que foi extremamente relutante em fazer a vontade de Deus no início (Ex 4.13), mas que depois se tornou o homem mais manso que viveu em seu tempo (Nm 12.3), fruto da sua obediência. Por isso que a mansidão deve ser desenvolvida primeiramente em nosso relacionamento com Deus (Jo 14.23), deixar-se guiar por Deus, para só depois refletir em nosso comportamento com o próximo (Tt 3.2).

| Domínio próprio

Por último, o domínio próprio. Talvez uma das virtudes mais desejadas no fruto do Espírito, seja a capacidade de controlar a si mesmo (Tg 3.2, 1Co 6.12), afinal, uma das maiores batalhas que o ser humano enfrenta é contra os seus próprios desejos (Tg 1.14), contra aquilo que a carne deseja (Gl 17-21), e nós falamos sobre isso no vídeo “Para que serve o Jejum?”. Quando não existe domínio próprio nós caminhamos para longe do propósito de Deus (Rm 8.8) e praticamente tornamos impossível uma vida em santidade (Hb 12.14). O domínio próprio desenvolvido pelo Espírito Santo nos torna capazes de dizer não, quando é preciso dizer não, de esperar quando é preciso esperar e de agir quando é preciso agir (2Tm 1.7). Mesmo porque o domínio próprio também é necessário para vencer a preguiça, a acomodação e a procrastinação (Pv 13.4), ou seja, não é somente deixar de fazer o que é errado, mas fazer o que precisa ser feito (Tg 4.17).

Leia também “Como andar em Santidade?” e “Para que serve o Jejum?“.

Conclusão

É obvio que nós não temos condições de alcançar a perfeição e todas as virtudes do fruto do Espírito, aliás, em nenhuma delas. Mesmo assim, o nosso alvo deve ser chegar o mais próximo disso (Fp 3.12-14), o mais próximo de Jesus Cristo, que foi o único perfeito (Hb 4.15) em cada uma delas e nos serve como exemplo (Hb 12.3-4, 1Pe 4.1-2).

Lembre-se de que quem desenvolve o fruto é o Espírito Santo, mas velocidade com que isso acontece, aí sim, depende de nós (2Pe 1.5-11). Quando maior for a nossa obediência à direção dada pelo Espírito Santo, mais rápido nós vamos desenvolver o fruto do Espírito, ter a vida completamente transformada e influenciar outros a seguirem o mesmo Caminho (Mt 5.14).


Inscreva-se em nossos canais

654.587 inscritos no Vai na Bíblia.
22.967 inscritos na VnBteo.


Aspectos do fruto no grego e traduções1

  • agape – Amor (ARC, ARA e NVI)
  • chara – Gozo (ARC), Alegria (ARA e NVI)
  • eirene – Paz (ARC, ARA e NVI)
  • makrothumia – Longanimidade (ARC e ARA), Paciência (NVI)
  • chrestotes – Benignidade (ARC e ARA), Amabilidade (NVI)
  • agathõsune – Bondade (ARC, ARA e NVI)
  • pistis – Fé (ARC), Fidelidade (ARA e NVI))
  • praütes – Mansidão (ARC, ARA e NVI)
  • enkrateia – Temperança (ARC), Domínio Próprio (ARA e NVI)

Nota:

1 Conteúdo extraído da matéria Doutrina do Espírito Santo do Centro de Ensino Teológico Saber e Fé.

PDF

Comentários

  • CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
  • Moacir
    Responder

    Cara, muito bom, show de bola ! Parabéns, continue.

  • RUSLAN QUEIROZ
    Responder

    Vai na Bíblia, vocês podiam fazer um vídeo sobre os dez mandamentos? Por favor.

  • Nomade
    Responder

    muito bom esse conteúdo!

  • Nanda
    Responder

    Obrigada por tudo, voces

  • Nanda
    Responder

    são uma benção

  • BrunaSSE
    Responder

    Que benção esse trabalho que você faz. Você não tem noção como isso me ajudou e estava meio que perdida, eu sou nova na fé e ainda não fui batizada pelo Espírito Santo isso de certa forma me frustrava mas os seus vídeos estão sendo de muita valia para mim. Obrigada que a paz do Senhor esteja sempre contigo. Amém!!

  • Vítor
    Responder

    Muito edificante, obrigado pelo estudo e que DEUS os abençoem em nome de JESUS !

  • Rosileude Oliveira
    Responder

    NOSSA SIMPLESMENTE MARAVILHOSO… GLORIAAA A DEUS POR ISSSO, E POR SUA VIDA…

  • Rosileude Oliveira
    Responder

    NOSSA SIMPLESMENTE MARAVILHOSO,GLORIA A DEUS!

  • Adriana Rosa Ribeiro
    Responder

    Muito bom entender do fruto do Espirito

  • Lucilene Teixeira
    Responder

    Eu estou radiante com sabedoria a qual O Espírito Santo lhe usou para este estudo Deus abençoe meu irmão continuidade lhe abençoando.

  • Lucilene Teixeira
    Responder

    Eu estou radiante com sabedoria a qual O Espírito Santo lhe usou para este estudo Deus abençoe meu irmão continuidaabençoando.

  • Mateus
    Responder

    O artigo ficou muito bem feito e detalhado , e principalmente, explicativo Deus lhe deu o dom de ensinar , muito bom mesmo .

  • Tamires Assis
    Responder

    Saiba que o Senhor usou esse texto como resposta do meu jejum… E INCRIVELMENTE, pra fazer o jejum correto, eu vi o vídeo “Pra que serve o Jejum”… E lá na minha leitura bíblica Ele me trouxe aqui! Deus abençoe cada vez mais!