O que é Amor?

O amor é o maior mandamento bíblico! Sendo assim, é fundamental saber se nossa ideia sobre o que é amor está correta. Será que existe mais de um tipo de amor? E se existe, com qual amor devemos amar a Deus e ao próximo?


Inscreva-se em nossos canais

706.000 inscritos no Vai na Bíblia.
23.300 inscritos na VnBteo.


oração

Leia ou [clique para assistir]

O maior mandamento

Jesus disse que o grande mandamento é amar a Deus sobre todas as coisas e também amar ao próximo como a si mesmo (Mt 22.36-39), e que “não há outro mandamento maior do que esses” (Mc 12.31). Na verdade, cumprindo estes dois mandamentos, você não precisa se preocupar com mais nada (Mt 22.40). Mas como isso funciona na prática?

É preciso amar ao próximo

Muitos vão dizer que amar a Deus é mais importante do que amar ao próximo, mas a Bíblia ensina que quem não ama o próximo, a quem vê, não pode amar a Deus a quem não vê. (1Jo 4.20-21).

O livro de Gálatas diz que “toda a lei se cumpre numa só palavra, a saber: amarás ao teu próximo como a ti mesmo” (Gl 5.14 ACF). Tiago diz que a lei real é “ame seu próximo como a si mesmo” (Tg 2.8 NVI), e como se não bastasse, Romanos diz que “tudo nesta palavra se resume: amarás ao teu próximo como a ti mesmo” (Rm 13.8-9).

Então, se você pensa que é possível amar a Deus e não amar o próximo, você está muito enganado! E também, se pra você é impossível amar aquela pessoa que você não suporta, é porque provavelmente a sua ideia sobre amor está errada e, consequentemente, fica bem difícil cumprir o maior mandamento da Bíblia.

Como amar o próximo?

O  amor que nós conhecemos de uma forma geral, que vemos nos filmes ou ouvimos histórias, quase sempre envolve sentimento, envolve desejo, envolve gostar. Mas não é esse amor do mandamento.

O amor com o qual nós devemos amar a Deus e ao próximo é o mesmo amor com o qual Deus nos amou, como diz em 1 João “se Deus assim nos amou, nós também devemos amar-nos uns aos outros” (1Jo 4.11 NVI).

Quer dizer então que existe mais de um tipo de amor? Teoricamente não, o problema é que nosso idioma usa a palavra amor de forma muito genérica, sendo assim, no nosso idioma, diferente do hebraico e do grego, sim! Existe mais de um tipo de amor, na verdade, quatro.

Amor (phileo)

O primeiro é conhecido como um amor de amizade, é um sentimento baseado na afinidade, naquilo que você tem em comum com outra pessoa. Envolve gostar de alguém que, supostamente, também gosta de você (Lc 6.32). Na verdade esse tipo amor depende disto, e se não for recíproco, ele acaba. É o típico amor que depende das circunstâncias.

Por que não foi com o “amor phileo” que Deus nos amou?

Porque “Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores” (Rm 5.8), ou seja, nesse momento nós éramos inimigos de Deus (Cl 1.21, Rm 5.10). Sendo assim, não pode ser o amor de amizade. Como esse amor envolve gostar, nós temos dois problemas: (1) Por mais que Deus ame o pecador, Ele não gosta do pecador (Sl 5.4). (2) Se você simplesmente gosta de Deus, esse sentimento pode ir embora quando, por exemplo, você orar para Deus curar uma pessoa e essa pessoa morrer. Neste caso você pode acabar se “decepcionando” com Deus e decidir continuar caminhando sozinho.

Amor (storge)

O segundo é conhecido como o amor familiar, que é muito parecido com amor de amizade, porque também é um sentimento, porém, é um sentimento de compromisso, quando uma pessoa faz parte da sua vida, normalmente você não escolhe por quem terá este tipo de sentimento, mas é algo que, supostamente, deve crescer ao longo do tempo e do convívio próximo. Por isso, geralmente temos este sentimento por amigos de infância, irmãos da igreja e principalmente familiares. Mesmo assim, é um amor que aumenta ou diminui, dependendo de como ele é correspondido.

Por que não foi com o “amor storge” que Deus nos amou?

Porque a Bíblia diz que nós passamos a fazer parte da família de Deus (Ef 2.19) somente quando entregamos nossa vida a Jesus Cristo (Jo 1.12). É apenas neste momento que nos tornamos filhos de Deus por adoção (Gl 4.4-5, Rm 8.15), e Deus nos amou antes disso. E também não seria possível amar ao próximo com o amor familiar se tratando de uma pessoa que você não conhece (Lc 10.36-37).

Amor (eros)

Já o terceiro é o amor que envolve paixão e desejo, geralmente baseado na atração física e no desejo sexual. É um amor que tem um aspecto mais egocêntrico, você ama a pessoa por causa do prazer que ela lhe proporciona. É o amor em que você quer tomar posse de alguém, e que pode acontecer mesmo sem o contato físico. É esse tipo de sentimento que Jesus diz ser possível cometer adultério somente no olhar (Mt 5.28), através do desejo.

Por que não foi com o “amor eros” que Deus nos amou?

Porque mesmo que a deixemos de lado o aspecto sexual, e olhemos apenas pelo lado da paixão, da empolgação e da satisfação, ainda assim não pode ser esse tipo de amor, pois Deus não tem satisfação alguma naquele vive no pecado (Rm 8.7-8).

A pergunta é: estes sentimentos amorosos são ruins? – Tudo depende do contexto! Depende tanto da motivação, quanto da pessoa por quem está havendo este tipo de sentimento.

Por exemplo, no relacionamento de um casal eles são fundamentais. Aliás, se esses 3 tipos de sentimentos não forem identificados e respeitados, primeiro amizade, depois compromisso e só depois o sexo, as chances de uma pessoa se casar com alguém com quem não tem amizade e nem compromisso é muito grande.


Inscreva-se em nossos canais

706.000 inscritos no Vai na Bíblia.
23.300 inscritos na VnBteo.


Amor (ágape)

Nosso foco agora é falar do amor com o qual Deus nos amou, o verdadeiro amor. Esse amor não é um impulso dos sentimentos e nem se dá somente por aqueles com quem se tem afinidade. É um amor incondicional, ou seja, não importa se a pessoa merece ou não. É uma decisão seguida de uma atitude, é fazer algo em favor de alguém e não sentir algo por alguém.

O amor perfeito é imparcial, não faz acepção de pessoas (Rm 2.11), mas busca a oportunidade de fazer o bem a todos (Rm 15.2), principalmente por aqueles que compartilham deste mesmo amor (Gl 6.10).

Por isso que amar e gostar são coisas distintas! Mesmo que você não goste de alguém, você pode agir em favor desta pessoa (Rm 12.20), fazer por ela o que gostaria que ela fizesse por você (Mt 7.12), se colocar no lugar da pessoa. Isso é amar ao próximo, abandonar a mentira e falar a verdade (Ef 4.25), não se preocupando apenas em agradar a pessoa (Ef 6.6), mas fazer algo para o bem dela.

Mas como saber se algo é bom para alguém? Afinal, podemos pensar: “o que é bom pra mim, nem sempre é bom pra outra pessoa”. Correto?

De fato é difícil saber o que uma pessoa realmente precisa, por mais que você conheça essa pessoa. Muitas vezes você vai achar que está fazendo bem pra alguém, quando na verdade está prejudicando a pessoa (Pv 14.12). Mas a questão é que, quando você conhece o amor de Deus, você sabe exatamente do que essa pessoa precisa: conhecer esse amor! (1Jo 5.12).

É aqui que mora um dos grandes segredos desse amor: nós não temos condições de revelar esse amor pra ninguém, ele é revelado por Deus, através do Espírito Santo! (1Co 2.12).

Nosso papel é mostrar onde se encontra essa revelação, e isso é possível com apenas um versículo:
“Deus amou o mundo de tal maneira, que deu seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16 ACF). Deus manifestou seu amor enviando seu filho unigênito ao mundo (1Jo 4.9) não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele (Jo 3.17).

Quando nós olhamos para João 3.16, nós vemos que Deus “deu” seu único filho, foi uma ação. A motivação foi “salvar” o homem da condenação e “dar” ao homem a vida eterna.

Nisto conhecemos o que é amor: Jesus Cristo “deu” sua vida por nós (1Jo 3.16) e não existe amor maior do que aquele que dá a sua vida em favor de alguém (Jo 15.13).

A revelação do amor de Deus

A revelação do amor de Deus está em Jesus Cristo! O amor de Deus é revelado através Dele. A Bíblia diz em 1 João: “Nisto está o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados.” (1Jo 4.10-11 NVI), e também diz que “nós amamos porque Ele nos amou primeiro” (1Jo 4.19 NVI). Só é possível amar a Deus quando nós conhecemos a intensidade e a profundidade desse amor (Ef 3.17-19). Quando nós entregamos nossas vidas a Jesus Cristo, esse amor é derramado em nossos corações (Rm 5.5, Gl 5.22).

A Bíblia ensina que neste momento nós nascemos de novo (Jo 3.3), nascemos de Deus (Jo 1.13), e como a essência de Deus é o amor (1Jo 4.8), só quem é nascido de Dele e conhece a Ele, pode amá-lo e também amar ao próximo (1Jo 4.7).

Aqui vai um outro grande segredo desse amor: a obediência! (2Jo 1.6, Jo 14.15,21,23). Muitos entendem a obediência a Deus como algo pesado (1Jo 5.3), que Deus ama mas exige obediência. Na verdade não há como separar o amor da obediência, pois andar em obediência aos mandamentos é andar em amor! (Jo 15.10-12).

Quem anda em amor, permanece em Deus (1Jo 2.4-6, 1Jo 4.16, Ef 3.19), quem anda em amor não tem medo (1Jo 4.18, 1Jo 5.18, Rm 8.31-39), porque “Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus” (Rm 8.28), daqueles que OBEDECEM a Deus.

Tudo o que você fizer pelo próximo que o aproxime de Deus, qualquer comportamento ou atitude sua (Mt 5.16), que revele Jesus Cristo e a salvação eterna, é o que de melhor você pode fazer por ele (Mc 8.36) e consequentemente por você (Pv 11.30), porque isso é obediência (Rm 13.10). E como a prática do amor exige comunhão com pessoas, é aí que entra a necessidade de viver como igreja (Hb 10.25). Não há como andar em amor caminhado sozinho! (Pv 18.1).

Amar é…

  • Fazer o bem sem esperar ser aplaudido por isso (Mt 6.3);
  • Continuar fazendo o bem, mesmo quando só se recebe o mal em troca (Gl 6.9, Rm 12.21, 2Ts 3.13);
  • Não ter inveja, nem guardar rancor (Gl 5.26);
  • Não se achar superior aos outros (Fp 2.3);
  • Não agir somente em benefício próprio (1Co 10.24);
  • Não se irritar facilmente (Tg 1.19-20);
  • Não ter alegria no que é injusto, mas se alegrar com a verdade (Sl 1.1-2).
  • O amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta (1Co 13).

O que Jesus sofreu, como ele sofreu, e por quem ele sofreu, mostra que amar é negar a si mesmo em favor do próximo (Lc 9.23), independente de quem o próximo seja (Mt 5.44-48).


Inscreva-se em nossos canais

706.000 inscritos no Vai na Bíblia.
23.300 inscritos na VnBteo.


PDF

Comentários

  • helderpraxedes
    Responder

    Mais um ótimo vídeo. Me deu o esclarecimento que precisava sobre as fomas do amor. Conhecia o significado apenas do amor Eros e Ágape. Achava que num relacionamento conjugal firme se dava com a união de ambos.
    Grande abraço.
    Deus abençoe!

    • Vai na Bíblia

      Glória a Deus Helder, abraço!

    • Penha Dias

      O amor de Deus me obriga a conviver com pessoas que tramam contra mim e me prejudica o tempo todo? Entendi que perdão e necessidade, e convivência?

  • BrunoLeonardo
    Responder

    Excelente Tema Abordado! Conforme os vídeos anteriores… Linguagem simples sobre temas complexos, mas de fácil entendimento. Estão de Parabéns! Pelo fato de Deus os usarem com muita graça. Aguardo ansiosamente um vídeo com o tema: “Livre Arbítrio” pelo fato de alguns amigos cristãos meus não estarem convencidos de que ele existe, e já tentei de muitas formas convecê los através da Bíblia. Um forte abraço e até mais…

  • Camillo Van Gogh
    Responder

    Obrigado por ser fonte de bençao em minha vida! Posso dizer que vc é como um líder meu. Que o Senhor o ilumine, o abençoe todos os dias e que o a glória do Pai continue a resplandecer sobre ti, Obrigado Esdras de coração. Vc está em minhas oraçoes! Forte abraço!

    • Vai na Bíblia

      Olá Camillo! Glória a Deus! Agradeço muito suas orações! Que você continue sendo edificado pelo conteúdo que Deus tem nos capacitado a produzir. Um abraço!

  • VanessaMellody
    Responder

    O Teu canal e teu blog, Esdras, é uma fonte de bênção, acredito que não só pra minha vida como pra vida daqueles que te acompanham. Os temas são complexos, porém, você os aborda de uma forma bem legal compreensível. Que Deus abençoe teu ministério e teu canal. Abraço!

  • Gabriel Mello
    Responder

    Rapaz!!! Você tem me inspirado a me aprofundar a cada dia nas escrituras, muito obrigado! Que Deus te abençoe.

  • JoyceMilana
    Responder

    Vivemos em uma época critica, onde o compromisso com a verdade bíblia está extremamente escasso e canais como o seu podem ser facilmente contados. Tenho acompanhado o trabalho e me alegrado bastante. Sempre oro para que Deus levante pessoas fieis a sua palavra, mas agora oro especificamente por sua vida. Que Deus te renove suas misericórdias sobre sua vida dia após dia Esdras (É o nome do meu pastor rsrs <3) Vídeos excepcionais, estritamente bíblicos.

  • Gaspar Brandão
    Responder

    Fui iluminado no caminho do amor, através do Espírito Santo que o habilitou a produzir este material fantástico.
    O amor é serviço. O amor é que o amor faz. O amar é servir. Uma benção! Continue nos amando com este amor. Deus ricamente abençõe o irmão, sua família e ministério.

  • Waldecy Antonio Simões
    Responder

    O clero católico prega que não se deve fazer acepção de pessoas ou de raças, mas fo justamente o clero católico que FEZ ACEPÇÃO DE PESSOAS. Por causa do secular ódio aos judeus, pretendendo ser diferentes deles em tudo, o “papa” Libório, o Bispo de Roma, convocou o Concílio de Laodicéia, no ano 364 e o resultado foi a perpétua proibição de guardar o sábado como vinha sendo guardado até ali. E para asseverar isso, decretou severos castigos e até a excomunhão para todos os que teimassem em continuar com a guarda e santificação do sábado.

    E ainda o clero fez TERRÍVEL ACEPÇÃO DE PESSOAS quando fez executar pelo fogo e enforcamento centenas de milhares de pessoas, nos seis terríveis séculos da atroz Inquisição católica.

    Bênção ou Maldição, alerta o Senhor
    http://bencaooumaldicaodizosenhor.blogspot.com.br/ Copie o HTTP e cole no navegador

    Waldecy Antonio Simões walasi@uol.com.br

  • Julio Cesar
    Responder

    Muito bom, parabéns.

  • ligiaalfabyte
    Responder

    Muito bom

  • Rebe
    Responder

    Amar é ver Cristo no próximo e em nós. …Cristo é o fim da lei….amar Então é. Nao condenar.

  • Vilma Rocha da Silva
    Responder

    Gostaria de um esclarecimento,sobre o amor intenso, cobre multidões de pecado.
    Se só o amor de Deus,é amor Ágape

  • Marlon de Oliveira Santos
    Responder

    Maravilhoso , que Deus te abençoe amigo , por elabora este texto .Muito grato mesmo .

  • nanda Lima
    Responder

    Muito bom ,🙏glória!
    E como tirar um sentimento ruim? a palavra de Deus né?

  • nanda Lima
    Responder

    Muito bom ,🙏glória!

  • PR Antonival
    Responder

    A paz de nosso senhor e salvador Jesus Cristo.
    Que Deus continue te usado desta forma.
    Pois está de parabéns pelo o estudo.

  • Dete Gonçalves
    Responder

    Devemos amar mais o próximo do que a Deus ?
    Se aborreço à Deus por amor ao meu próximo , eu posso?
    Eu posso desobedecer à Deus por amor?

    Eu posso fazer alianças com às trevas por amor e ir contra à vontade de Deus?

    Até que ponto posso usar o amor ao próximo contrariando uma vontade de Deus na minha forma de amar?

    O amor pode ser maior que Deus,
    Sendo Deus o próprio amor?

  • LUCIO FABIO ARAUJO GUERRA
    Responder

    Maravilho, texto. Parabéns ao autor!

  • doralice
    Responder

    Muito esclarecedor este texto, a verdade que o ser humano ama de menos, cobra demais, reclama muito e agradece nada que Deus nos fez.