Bíblia: Dez motivos para Crer nas Sagradas Escrituras

Partindo do pressuposto de que Deus existe, é a vez de entender porque a Bíblia é a fonte de revelação e autoridade que Ele preparou para nós. Para isso nós separamos 10 motivos para crermos que a Bíblia é a perfeita Palavra de Deus.


Inscreva-se em nossos canais

642.100 inscritos no Vai na Bíblia.
22.843 inscritos na VnBteo.


biblia

Leia ou [clique para assistir]

1o Porque a Bíblia é uma obra literária

Por que um ser superior optaria em comunicar sua vontade ao ser humano através da escrita? Por uma razão muito óbvia: é única forma de comunicação que poderia ser utilizada pelo homem e preservada da antiguidade (Hc 2.2, 2Tm 4.13) até os dias de hoje (Dn 8.26). Uma mensagem falada e não anotada se perderia em pouco tempo (2Cr 34.14,21; Jo 21.25). Somente através do registro escrito seria possível transmitir e garantir a autenticidade de um conteúdo ao longo dos séculos (Cl 4.16, Ap 22.18-19).

A Bíblia não é somente uma obra literária, é a mais primorosa obra literária da história e do mundo. Nada se compara à Bíblia em termos de evidências históricas, arqueológicas e documentais.

Se entendemos que Deus é um ser que sabe todas as coisas (Hb 4.13) e que pode todas as coisas (Jr 32.27), como Ele permitiria ser uma mentira um livro em que um ser superior fala em primeira pessoa (Is 45.6), declara ser o criador de todas as coisas (Is 45.12), revela seus atributos (1Jo 4.8) e a sua natureza (Jo 4.24), e que desafia o homem a comprovar seu poder (Rm 8.31), seu amor (Jo 3.16) e sua fidelidade (Ts 5.23-24).

Produzir uma literatura em um período de mais ou menos mil e quinhentos anos (Hb 1.1-2), manter a unidade deste conteúdo mesmo utilizando mais de quarenta escritores com capacidades intelectuais diferentes, que em sua maioria nem se conheciam, pois viveram em épocas e lugares diferentes (1Rs 10.23, Mt 4.18); torna totalmente impossível atribuir ao homem a autoria da Bíblia (2Pe 1.20-21).

2o Porque a Bíblia traz as respostas

Parece algo simples dizer que a Bíblia traz as respostas, afinal, muitos livros também respondem muitas questões sobre a vida. Mas a grande diferença é que a Bíblia concentra absolutamente todas as respostas essenciais para o ser humano em um único livro (2Tm 3.16-17), antigo e atual ao mesmo tempo (Hb 4.12). É o único livro que cobre todas as áreas essenciais da nossa vida: física (Pv 19.15-16, 1Ts 4.4, Lc 11.34, 1Tm 4.8), espiritual (2Tm 3.15, Ef 4.17-18, Cl 3.1-3), intelectual (Pv 1.1-7, 1Co 1.20), familiar (1Pe 3.7, Ef 6.2-4, 1Tm 5.8), profissional (Js 1.8, Pv 16.8, Pv 13.11), social (Mt 7.12, Tt 3.1-2, Mt 5.39-41) e sentimental (Fp 4.6-7, Pv 14.30, Ef 4.31-32).

Na maioria das vezes, através do resultado alcançado após seguir uma instrução bíblica, nós podemos comprovar se de fato a Bíblia diz ou não a verdade (Jo 7.17). E uma vez comprovadas estas respostas, porque não acreditar naquilo que a Bíblia diz sobre assuntos como a salvação (Rm 3.24-26) ou a condenação do homem (Rm 5.12, Rm 3.23) por exemplo (Mt 25.46). A verdade é que a satisfação em experimentar e comprovar uma resposta dada por Deus através da Bíblia, abre o nosso entendimento (Rm 12.2) e faz com que certos questionamentos jamais voltem a ocupar nossa mente (Jo 8.32).

3o Porque a Bíblia expõe a limitação humana

Se a Bíblia não tivesse Deus como autor, mas fosse uma iniciativa do homem, sendo que o homem tem um tempo de vida limitado (Ec 2.21) e todos os profetas e escritores bíblicos já morreram, qual seria o propósito? (Hb 11.13-16, 36-40).

Alguns dos homens mais importantes da história, tem seus erros expostos na Bíblia, como é o caso de Noé (Gn 9.20-21), Abraão (Gn 20.10-12), Moisés (Êx 2.12), Davi (2Sm 11.3-4, 14-15). Nenhum dos mais de 40 escritores bíblicos declara ser perfeito, mas atribuem essa perfeição somente a Deus (Tg 1.16-17, Rm 9.20).

Como seria possível uma pessoa escrever uma história sobre a ação de um ser superior, e mesmo após sua morte outros continuarem sua história, dando ainda mais detalhes sobre este mesmo ser? (1 Pe 1.10-12). Como isso poderia acontecer repetidas vezes durante mais de mil anos, e todas essas histórias apontarem para o mesmo caminho, demonstrarem que existe algo errado em relação ao próprio homem (Ec 7.20), e trazerem a mesma solução para este problema? (At 4.12, Ef 3.1-6)

Sem a ação e supervisão de alguém com conhecimento do passado, presente e futuro isso seria completamente impossível! Por esta razão, e por inúmeras outras, é que a Bíblia não se preocupa em provar a existência de Deus, o simples fato da Bíblia existir já demonstra isso (At 5.38-39).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4o Porque as promessas bíblicas se cumprem

É óbvio que o simples fato de alguém fazer promessas não é motivo suficiente para se acreditar em uma pessoa, o que conta na verdade é se essa pessoa cumpre as promessas. E para saber se isso acontece é sempre bom buscar referências, saber se essa pessoa costuma honrar aquilo que fala. E mesmo assim, talvez nem todas as referências sejam boas, o que vai comprovar de fato se essa pessoa é digna de confiança será a nossa experiência particular com ela.

O mesmo acontece com a Bíblia, nós vamos encontrar milhares de testemunhos positivos, mas também escutaremos inúmeras reclamações de promessas não cumpridas. A questão principal é que toda promessa bíblica é condicional (Js 1.7-8, Gl 6.7-9), para receber as promessas é necessário fazer algo (Mt 7.7-8). Envolve fé (Hb 11.6), obediência (Gn 12.1, Hb 11.8), paciência (Tg 5.7) e perseverança (Tg 1.2-4). Quando isso acontece, absolutamente todas as promessas bíblicas se cumprem (Hb 10.23). É possível comprovar em nossas próprias vidas o cumprimento de promessas como paz (Pv 16.7), segurança (Sl 91.7), descanso (Mt 11.28-29), prosperidade (Pv 11.25), sabedoria (Tg 1.5-8), entre outras. E mais do que isso, o cumprimento destas promessas nos dá confiança para acreditar em promessas ainda maiores, dentre elas estão as promessas de Salvação (1Ts 5.9) e Vida Eterna (1Jo 2.25).

5o Porque não é preciso abrir mão da razão

Ao contrário do que muitos pensam, para crer na Bíblia não é preciso praticar uma fé cega, sem o uso da razão, muito pelo contrário (Hb 11.1, 1Pe 3.15), é preciso utilizar nossa capacidade cognitiva, ou seja, nós temos que conhecer (2Pe 1.5), verificar (At 17.11), perceber (Jo 14.11) e interpretar para poder assimilar o seu conteúdo (Hb 5.12-14).

A grande questão é que muitos não entendem que a fé simplesmente vem antes do entendimento, primeiro você crê, e você tem motivos para isso, e depois você entende (Jo 11.40).

Quando falamos da fé bíblica, nós falamos de uma atitude de obediência, baseada no que a Bíblia diz (Rm 1.5), e nesse primeiro momento talvez seja preciso deixar a lógica e a razão em segundo plano, mas depois essa obediência vai trazer o entendimento (1Co 2.12-16). Você vai verificar o resultado dessa obediência e comprovar que aquilo que a Bíblia afirma é a verdade, inclusive de forma lógica e racional (Jo 8.30-32).


Inscreva-se em nossos canais

642.100 inscritos no Vai na Bíblia.
22.843 inscritos na VnBteo.


6o Porque a Bíblia revela quem é Jesus Cristo

Jesus é uma pessoa histórica, Ele nasceu e viveu aqui na Terra cerca dois mil anos atrás (Lc 2.1-7), não se trata de um ser mitológico. Jesus foi o homem mais influente que já existiu, sem dúvida alguma (Jo 12.32, Jo 12.19). Nenhum outro grande líder inspirou, e ainda inspira tantos seguidores, a dedicarem suas vidas em serviço de outros (Fp 1.21-25).

A influência de Jesus fica evidente não só pela história se dividir entre antes e depois de Cristo, mas principalmente pelo fato de que neste momento, por sua causa, pessoas estão dispostas a enfrentar opressão (Rm 8.35-36), perseguição (2Tm 3.12, At 5.41) e até mesmo a morte (2Co 4.8-11).

A vida de Jesus é narrada com detalhes em quatro evangelhos diferentes, onde o mais humilde dos homens (Mt 11.29) se proclamou como sendo Deus (Jo 10.30, Jo 14.9). Alguém que fosse capaz de inventar uma história como essa e criar um personagem como Jesus, incluindo a sabedoria contida em seus ensinamentos, com certeza se tornaria ainda mais conhecido do que Ele, e nós sabemos que tal pessoa não existe (Fp 2.9-11).

Se você crer na Bíblia, e praticar o que ela ensina, a consequência é que você tenha um encontro pessoal com esse mesmo Jesus Cristo (Jo 14.21).

7o O cumprimento de profecias bíblicas

Uma das maiores evidências de que a Bíblia é a Palavra de Deus são as profecias que já se cumpriram. Não somente aquelas que tiveram seu cumprimento narrado dentro da própria Bíblia, mas também as que podem ser comprovadas através dos livros de história.

Um exemplo disso é a profecia feita no livro de Daniel sobre o surgimento e queda de quatro impérios, babilônico, medo-persa, grego e romano. Na ordem em que isto iria acontecer. (Dn 2.39-43).

Já dentre aquelas que podem ser verificadas dentro da própria Bíblia estão as profecias feitas com mais de seiscentos anos de antecedência, sobre o nascimento de Jesus (Is 7.14), incluindo a época (Dn 9.25) e o local (Mq 5.2), e sobre o seu sofrimento e morte sem culpa (Is 53.5-8).

A Bíblia teve, tem e sempre terá todas as suas profecias cumpridas, sem abrir mão de absolutamente nenhuma delas, incluindo o arrebatamento da Igreja (1Ts 4.17, 1Co 15.51-52) e a segunda vinda de Cristo (Hb 9.27-28, 1Ts 1.10).

8o A questão das contradições

Muitos pensam que não é possível crer na Bíblia porque ela está repleta de contradições, aliás, é o que muitos apontam como sendo o grande problema da Bíblia. E de fato ela não poderia ser considerada como perfeita Palavra de Deus se apresentasse contradições (Jo 17.17). Mas a pergunta é: será mesmo que há contradições na Bíblia?

À primeira vista, certas passagens realmente parecem ser contraditórias, mas quando se faz uma pesquisa mais profunda, percebe-se que na verdade não são. Duas afirmações podem ser diferentes sem serem contraditórias.

Por exemplo, no caso do cego em Jericó. Mateus relata como dois cegos encontraram Jesus (Mt 20.29-34), enquanto Marcos (Mc 10.46-52) e Lucas (Lc 18.35-43) citam somente um. Mas em momento algum Marcos e Lucas dizem que existia apenas um cego, é a mesma história vista por um ângulo diferente, uma afirmação não nega a outra, elas são complementares. Já em outros casos, a história é somente parecida, mas trata-se de um outro momento com outras pessoas envolvidas (Mt 5.1-3 vs Lc 6.17-20)1.

Além disso, passagens de difícil compreensão, somadas a algumas imprecisões na tradução do grego e do hebraico (At 9.7 vs At 22.9)2, e também a uma predisposição em encontrar erros (2Pe 3.15-17), farão com que histórias semelhantes ou narrativas diferentes, pareçam contradições.

9o As descobertas da ciência

Tudo o que homem tem descoberto ao longo dos séculos, acaba dando mais credibilidade à Bíblia do que o contrário. Quando uma descoberta da ciência contraria um relato bíblico, é porque existe um equívoco, ou na descoberta científica ou no entendimento bíblico. Como geralmente acontece no caso do relato sobre a criação (Gn 1 e 2).

Muitos pensam que para crer na Bíblia é preciso aceitar que o mundo foi criado em seis dias consecutivos de 24 horas, cerca de 10 mil anos atrás, e que tudo o que a ciência moderna diz sobre esta questão precisa ser completamente rejeitado, porém, este é um pensamento equivocado, pelo estilo literário que Gênesis 1 apresenta 3, a interpretação literal acaba não sendo a única opção 4, dentro do cristianismo por exemplo, existem pelo menos oito visões em relação ao relato da criação.

Para crer na Bíblia não é necessário abraçar uma única interpretação sobre a criação ou mesmo negar a interpretação literal, crer na Bíblia não exige que você se comprometa a decidir por uma destas interpretações (Tt 3.9), da mesma forma como não exige que você saiba exatamente do que se tratam as profecias do livro de Apocalipse (Ap 13.16-18). Nós sabemos que Adão e Eva foram seres reais e históricos dos quais descende toda a raça humana (Gn 3.20), mas não temos como saber exatamente todos os detalhes de como foi o processo de criação (Dt 29.29), incluindo a existência ou não de eras glaciais, dinossauros ou até mesmo do Big Bang. O mais importante é saber que absolutamente tudo o que existe foi criado por um único Deus (Cl 1.6) 5.

10o A experiência pessoal

Quando aplicamos os princípios bíblicos em nossas vidas, é possível comprovar que não se trata de um livro qualquer. O crescimento espiritual (Ef 4.13-14), a transformação que acontece em nossas vidas (2Co 5.17), o entendimento que a Bíblia traz (1Jo 5.20), a maneira como tudo se encaixa de forma tão perfeita (Lc 24.27,32), somados à possibilidade de ver Deus falando conosco de forma particular (Hb 12.5-6), faz com que dentre todos os motivos para crer na Bíblia, nenhum deles supere a experiência pessoal.

Conclusão

Talvez você possa discordar da maioria destes motivos, mas a verdade é que apenas um único motivo já é mais do que suficiente para dar o primeiro passo: ler a Bíblia (Mt 22.29), só assim você será capaz de praticar o que ela ensina e comprovar com conta própria se o que foi falado neste vídeo é verdade ou não (Hb 6.17-18).


Inscreva-se em nossos canais

642.100 inscritos no Vai na Bíblia.
22.843 inscritos na VnBteo.


Notas:

1 As passagens falam de duas ocasiões distintas. O ensino pode ser semelhante, mas as há diferenças importantes na pregação.
2 O verbo akoúo (ouvir) pode referir-se ou à faculdade dos ouvidos de ouvirem o som (conf. Mt 11.15, 13.15) ou à faculdade da mente de compreender o que se ouve (conf. Mc 4.33 e 1Co 14.2). Além do que a palavra traduzida como “voz” também pode significar “som”. A possibilidade é que os companheiros de Saulo ouviram um som, mas não conseguiram entender o que estava sendo dito.
3 Ao interpretar um texto bíblico não podemos levar em conta somente o que o texto significa para nós, é preciso preservar a intenção do autor, levando em consideração o contexto, a audiência e o estilo da narrativa. Como o autor pretendia que esse texto fosse interpretado e como seus leitores originais entenderam isso quando ouviram, do contrário tudo seria muito subjetivo e relativo.
4 Muitos vão insistir que os sete dias da criação são dias literais com 24 horas, mas se o sol é a referência para a contagem de dias, como explicar o sol sendo criado apenas no quarto dia, ou então como explicar o sexto dia, será que 24 horas seriam suficientes para Deus criar o homem, apresentar todos os animais da terra e para que ele nomeasse um a um e verificasse que nenhum era compatível com ele, e depois disso adormecer, ter uma costela arrancada para a formação da mulher, e a mulher ser cria neste mesmo dia? Seria possível? Sim, mas pouco provável.
5 O mais importante no relato da criação é deixar claro que Deus é o criador de todas as coisas. O mar não é um deus, o sol não é um deus, a lua não é um deus, a natureza não é um deus, a vaca não é um deus e principalmente o homem não é um deus.

PDF

Comentários

  • CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
  • GuiRick Marques
    Responder

    Parabéns por esse vídeo novo.Que Deus lhe abençõe Esdras.
    Ass:Guilherme e Henrique

  • Renato
    Responder

    Show! Parabéns pelo trabalho, Esdras.
    Gostei muito da http://www.saberefe.com também.
    Que Deus continue a lhes abençoar!

    • Vai na Bíblia

      Valeu Renato!
      Se quiser mais informações sobre o trabalho da Saber e Fé é só entrar em contato pelo nosso email vainabiblia@gmail.com
      Um abraço!

  • Michelle
    Responder

    gente! mas que trabalho extraordinario esse de vcs! feito com mta exelencia! Isso é q é fazer algo pra honra e gloria do Pai! vcs estão de parabens por todo o capricho, cuidado, beleza, organizaçao! Que o Senhor abençoe para que continue!

  • Karina
    Responder

    Perfeito, seria bom se desse pra baixar seus vídeos pra mandar no watssap

    • WagnerRezende

      Já conseguiu baixar?
      Se não, eu posso enviar para você. Shalom!

  • Vivi
    Responder

    SUBSÍDIO TEOLÓGICO
    “Em Gênesis 1, a palavra hebraica para dia é yom. A maior parte do uso dela no Antigo Testamento é com o sentido de dia, dia literal; e, nas passagens em que o sentido não é esse, o contexto deixa isso claro.
    Primeiro, yom é definido na primeira vez em que é usado na Bíblia (Gn 1.4,5) em seus dois sentidos literais: a porção clara do ciclo luz/trevas e todo o ciclo luz/trevas. Segundo, yom é usado com ‘noite’ e ‘manhã’. Em todas as passagens em que essas duas palavras são usadas no Antigo Testamento, juntas ou separadas, e no contexto de yom ou não, elas sempre tem o sentido literal de noite ou manhã de um dia literal. Terceiro, yom é modificado por um número: primeiro dia, segundo dia, terceiro dia, etc., o que em todas as passagens do Antigo Testamento indicam dias literais. Quarto, Gênesis 1.14 define literalmente yom em relação aos corpos celestiais” (HAM, Ken. Criacionismo: Verdade ou mito? 1ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2011, p. 30).